Arquivo de dezembro, 2011

Retornamos às escritas no blog publicando um video que dialoga muito com a última mesa redonda do Encontro: “Discussões que perturbam o corpo (Mídia)”.

Este video “Como a mídia brasileira sufoca a liberdade de expressão”, dirigido por Pedro Ekman, mostra a concentração dos grandes veículos de comunicação na mão de poucas famílias e a distribuição de concessões de rádios e TVs feitas por (e para) políticos e empresários. O perigoso jogo de interesses que guiam os discursos jornalísticos dessas empresas.

No dia 27/11, no Palacete das Artes, discutíamos sobre a (in)visibilidade midiática dos trabalhos artísticos realizados por pessoas com deficiência e a apelação mantida pelo discurso do corpo coitadinho e da superação. Foi uma ação improtante no Encontro que contou com a presença d Jeferson Beltrão, editor-chefe do BA-TV (Rede Bahia), a coreógrafa e dançarina Clara Trigo, o curador do evento Edu O. e a performer Estela Lapponi.

Confiram o video:

2o_O_que_é_isso_de_dança-46942o_O_que_é_isso_de_dança-46872o_O_que_é_isso_de_dança-46792o_O_que_é_isso_de_dança-46762o_O_que_é_isso_de_dança-46682o_O_que_é_isso_de_dança-4660
2o_O_que_é_isso_de_dança-46492o_O_que_é_isso_de_dança-46472o_O_que_é_isso_de_dança-46322o_O_que_é_isso_de_dança-46112o_O_que_é_isso_de_dança-46092o_O_que_é_isso_de_dança-4606
2o_O_que_é_isso_de_dança-46042o_O_que_é_isso_de_dança-46002o_O_que_é_isso_de_dança-45922o_O_que_é_isso_de_dança-45852o_O_que_é_isso_de_dança-45722o_O_que_é_isso_de_dança-4570
2o_O_que_é_isso_de_dança-45622o_O_que_é_isso_de_dança-45482o_O_que_é_isso_de_dança-45422o_O_que_é_isso_de_dança-45402o_O_que_é_isso_de_dança-45352o_O_que_é_isso_de_dança-4521

Galeria de fotos do 2º Encontro O QUE É ISSO? de Dança, desfrute!

NAÇÕES UNIDAS – DIA INTERNACIONAL DAS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA – 03 de Dezembro
Mensagem de Ban Ki-moon – Secretário-Geral da Organização das Nações Unidas por ocasião do Dia Internacional das Pessoas com Deficiência
Tema: “Juntos por um Mundo Melhor: Incluindo Pessoas com Deficiência no Desenvolvimento”
Tradução: Romeu Kazumi Sassaki

Passaram-se 30 anos após as Nações Unidas comemorarem pela primeira vez o Ano Internacional das Pessoas com Deficiência, então focando o tema “Participação Plena e Igualdade”. Durante este lapso, foram alcançados notáveis avanços na tarefa de divulgar os direitos das pessoas com deficiência e fortalecer o marco normativo internacional para a realização destes direitos, desde o Programa de Ação Mundial para as Pessoas Deficientes (1982) até a Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência (2006).

Cada vez mais países se comprometem a proteger e promover os direitos das pessoas com deficiência. Não obstante, muitas tarefas permanecem pendentes. As pessoas com deficiência apresentam os índices mais altos de pobreza e de privações; e a probabilidade de que não tenham atendimento médico é duas vezes maior. Os índices de emprego das pessoas com deficiência em alguns países chegam a apenas um terço dos da população geral. Nos países em desenvolvimento, a diferença entre os índices de frequência à escola primária das crianças com deficiência e os de outras crianças se situa entre 10% e 60%.

Essa exclusão multidimensional representa um altíssimo custo, não apenas para as pessoas com deficiência, mas também para toda a sociedade. Este ano, a celebração do Dia Internacional das Pessoas com Deficiência nos relembra que o desenvolvimento só poderá ser duradouro se for equitativo, includente e acessível para todos. É, portanto, necessário que as pessoas com deficiência estejam incluídas em todas as etapas dos processos de desenvolvimento, desde o início até as etapas de supervisão e avaliação.Corrigir as atitudes negativas, a falta de serviços e o precário acesso a eles, e superar outros obstáculos sociais, econômicos e culturais, redundarão em benefício de toda a sociedade.

Neste Dia Internacional das Pessoas com Deficiência, faço um apelo aos governos, à sociedade civil e à comunidade internacional para que trabalhem em benefício das pessoas com deficiência e colaborem com elas, lado a lado, a fim de alcançarem o desenvolvimento includente, sustentável e equitativo em todo o mundo.

Mapa Ferido

Publicado: 1 de dezembro de 2011 em Sem categoria

Mapa Ferido foi a performance apresentada por Estela Lapponi, ontem à noite, dentro do XVIII Painel Performático da Escola de Dança da UFBA. Este trabalho é um exercício cênico do processo de investigação do Corpo Intruso, dentro do Master em práticas cênicas e cultura visual da Universidad de Alcala (Espanha).

A noite foi bastante rica com diversas propostas realizadas pelos alunos, teve de tudo ocupando diversos espaços da Escola: contato improvisação, video-instalações, dança contemporânea, dança do ventre e hip hop.

Em breve fotos da performance de Estela.